terça-feira, 16 de novembro de 2010

Justiça no esporte e a vitória da Ética absoluta


No artigo "A ética, os fins e os meios", eu citei o episódio da Fórmula-1 em que o piloto brasileiro Felipe Massa foi obrigado a deixar seu companheiro de equipe, Fernando Alonso, ultrapassa-lo, esta ordem veio de forma indireta e infantil da Ferrari, equipe dos 2 corredores. O motivo é que o piloto espanhol teria mais chances de ser campeão do mundo.

Na epoca eu critiquei o jogo de equipes, pois Alonso estava muitos pontos atrás de Lewis Hamilton, da Maclaren, então líder do campeonato. Afirmei não ser fundamentalista da ética, entendo que sendo a ultima corrida do ano e o "jogo de equipe" for a única forma de fazer o campeão mundial de pilotos, seria a medida mais sensata a ser feita, mas não a admitia em situações onde não tenha necessidade ou seja inútil.

Pois bem, o fato é que Alonso, em função do episódio e de erros de outros pilotos ou suas equipes, chegou no final do campeonato como líder absoluto e favoritíssimo ao titulo. Sua vantagem, faltando 2 provas pra terminar o campeonato, era de 11 pontos pra Mark Webber e 25 pontos pra Sebastian Vettel, ambos da equipe Red Bull Racing. Minha indignação era que, uma atitude antidesportiva num momento aparentemente irrelevante do campeonato iria dar a vitória ao piloto da Ferrari e premiar a desonestidade.

Então pensei: "Agora cabe o jogo de equipe, a Red Bull deve dar preferência ao Webber em detrimento de Vettel, e evitar que a atitude da Ferrari seja vitoriosa". Pra minha surpresa, Dieter Mateschitz, dono da RBR, proíbe o "jogo de equipe" e afirma que o resultado será feito na pista, quem for melhor que ganhe. Eu e outros fãs de automobilismo que torcíamos contra a Ferrari chamamos a equipe de "Red Burra", afinal se havia algum momento em que o "jogo de equipe" se justificasse, era aquele, reta final do campeonato com Webber tendo muito mais chances de desbancar Alonso do que Vettel. Dito e feito, no penúltimo GP, em Interlagos, Vettel chega em primeiro com Vebber em segundo, sem nenhuma ordem pra mandarem trocarem suas posições durante a corrida. Como Alonso chegou em terceiro, suas chances de ser campeão prosseguiram imensas, bastaria um terceiro lugar no GP Abu Dhabi, ultimo do ano, isso se Webber ganhasse, se fosse Vettel o vencedor, bastaria ao espanhol chegar em quinto. Fatura liquidada era o que muitos, eu incluso, achávamos.

E não é que Vettel vence a corrida e Alonso chega em sétimo?! E isso devido a um acidente que manda o safety car pra pista logo na primeira volta, alterando as estratégias de paradas das equipes, propiciando ao piloto russo, Vitaly Petrov, da Reanult(ironicamente a mesma equipe em que Alonso esteve envolvido num dos maiores escândalos da F-1) parasse antes e ficasse a frente de Alonso quando este finalmente fizesse sua parada, e ficou em sua frente até o final da corrida, sem que ninguém pudesse "mandar passar".

Webber ficou em oitavo. Tivesse a RBR feito o "jogo de equipe" na corrida anterior, mandando Vettel deixa-lo passar pra ficar em primeiro, e Alonso teria sido campeão mundial este ano.

Parabéns ao piloto alemão Sebastian Vettel, o campeão mais jovem da história, com 23 anos, 4 meses e 11 dias.

E parabéns a Red Bull Racing, que fez o campeão do mundo sem ferir a ética, aliás, fez o campeão justamente porque se manteve íntegra até o fim.

E este escriba humildemente admite rever conceitos. Não tenho o hábito de citar amigos neste blog, mas Arthur Golgo Lucas, que acompanha o blog e disse, na época que fiz meu artigo, que a ética no esporte deve ser absoluta e imperiosa. E ele tinha razão, tinha e tem.

Quebrando outro protocolo do blog, posto neste artigo também uma foto, a foto do campeão entre os ultimos 2 campeões mundiais, Hamilton e Jason Button, que curiosamente completaram o pódium nesta corrida. Seu título merece esta homenagem, é o título que simboliza a vitória da ética absoluta, da justiça inquestionável, é a prova que se pode conseguir sem ser anti-desportivo, aliás, só foi campeão pelo espírito ultra desportivo de sua equipe.

Salve!

4 comentários:

  1. Todos ganharam,inclusive tu.
    Ganhamos sempre quando admitimos nossas fragilidades, são elas que nos fazem fortes.

    ResponderExcluir
  2. Eh... Palmas pra RBR. Palmas aos pilotos. Palmas à administração da equipe.

    Bem que essa bagaça poderia virar documentário.

    ResponderExcluir
  3. ÉÉè, pelo menos alguma coisa tem que se salvar né! No meio de tanta palhaçada. Nem tudo está perdido! UFA! :D
    Aliás, vou te mandar um red bull de novo tá? ahuahuahahuahuahuauha!!!
    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Primeiro de tudo, grato pela lembrança e parabéns pela reavaliação do papel da ética no esporte! :-)

    O que eu quero frisar, entretanto, é que mesmo que a Red Bull perdesse, ainda assim ela estaria de parabéns.

    O esporte é o substituto civilizado da guerra. Enquanto na guerra somente o resultado importa, de preferência sem cometer grandes abusos só pra não se incomodar depois, no esporte o espírito humano (ou o desenvolvimento cultural, caso o termo "espírito humano" pareça meio místico) mostra uma face muito mais elevada, representando um ideal que deveria ser perseguido também em outras esferas da sociedade, como a política e a economia.

    Se a Red Bull não tivesse vencido a competição, ainda assim teria ganhado algo muito mais importante. ;-)

    ResponderExcluir